A pedido do MPTO, acusado de homicídio é condenado a 28 anos de reclusão



O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri acatou os pedidos do Ministério Público do Tocantins (MPTO) e reconheceu Tiago Teles da Silva como culpado pelo assassinato de José Divino da Silva Menezes. O julgamento ocorreu no dia 26 de junho na Vara Criminal da Comarca de Arraias, sudeste do Tocantins. O acusado recebeu pena de 28 anos e quatro meses de reclusão.

O promotor de Justiça João Neumann Marinho da Nóbrega, responsável pelo caso, conta que o crime aconteceu em 24 de maio de 2017, em função de uma disputa pelo comércio de drogas na região. Tiago Teles, então com 19 anos, utilizou um revólver calibre 38 para efetuar cinco disparos que atingiram o pescoço, o tórax e o dorso da vítima, causando sua morte.

As investigações concluíram que o réu planejou, premeditou e cometeu o crime com a ajuda de João Marcos Barbosa Pereira, conhecido como “Pinguim”, que foi assassinado em julho de 2017. Tiago e Pinguim pertenciam a uma organização criminosa rival a de José Menezes.

Diante dos fatos e das provas do crime, o Ministério Público requereu a condenação do réu. Os jurados acolheram os pedidos do MPTO quanto às três qualificadoras (motivo torpe, uso de recurso que dificultou a defesa da vítima e finalidade de assegurar vantagens dos crimes de tráfico de drogas), o que resultou na pena final de 28 anos e quatro meses de reclusão, além de multa indenizatória de R$ 15 mil, destinada à família da vítima.

Fonte: Assessoria de Comunicação MPE-TO

Comentários